Arte, enfim

O ano aqui nos EUA foi muito importante para que eu passasse a me entender melhor. Isso inclui, sem dúvida, uma melhor compreensão de como funciona a minha mente (falando, é claro, no sentido conotativo; não entendo nada de neurologia). Decidi explorar esse entendimento de uma maneira mais artística dessa vez. Segue um de meus primeiros trabalhos com prosa poética, estilo que quero explorar mais no futuro.

Peças e mais peças de dominó enfileiradas

Minha mente é peças e mais peças de dominó enfileiradas, todas prontas para um efeito dominó. Cada fileira, um assunto. Tem a fileira do dinheiro; tem a fileira do amor. Do mundo, levo petelecos. Cada uma dessas pequenas pancadas, dependendo do lugar em que acertam e da força que tem, fazem uma das fileiras começar a andar. Minha mente não é sala pequena, mas também não é infinita. Como são muitas as peças e as fileiras, uma que desaba pode acabar levando outra junto. Não me pergunte por quanto tempo me interessarei por isso, quanto tempo farei aquilo. Me pergunte se meu fôlego vai ser o suficiente para acompanhar a corrida dessa ou daquela fileira de peças de dominó; se eu estiver correndo como maratonista, me pergunte se já vejo a última das peças. Não sou um triatleta ironman, então tenha certeza de que vou parar sim. E, enquanto aproveito sombra e água fresca, é inevitável que algumas das fileiras corram para muito longe, se percam de vista, sejam abandonadas. Meu break logo acaba e outro peteleco de repente causa o tal efeito dominó em uma das fileiras de peças de dominó. Descansado, refrescado, levanto e estico as pernas, porque até o final, afinal, a corrida continua.

 —

Até a próxima!

4 respostas em “Arte, enfim

  1. Há muito tempo sei que você tem talento para escrever, acho que desde que ganhou aquele concurso de poesias quando estudava no Bandeirantes, não me lembro a poesia inteira mas lembro que falava do tempo…….o relogio bate….era o refrão principal, tentei encontrar aquela poesia mas ela se perdeu mas o que não se perdeu foi seu inegável talento para escrever.
    Abraço…Ricardo.

  2. Legal, Alex!

    Isso me lembra os tempos de 3º ano e as obras feitas durante algumas aulas. Muito bom que você tenha retomado a ideia! Aliás, prosa poética é um estilo muito interessante de expressão. Ficou muito bacana seu texto, parabéns!

    Abraço,

    Eric

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s